Skip navigation

Category Archives: TRANSPORTES E MOBILIDADE

No âmbito do Projecto Cicloria realiza-se no próximo dia 6 de Novembro de 2009, em Aveiro a conferência “O Lazer e o Turismo Ciclável em Portugal”. O Projecto Cicloria foi uma iniciativa aprovada pelo Programa Operacional de Valorização do Território – Acções Inovadoras.

O prazo para as inscrições termina no dia 30 de Outubro. O programa assim como a ficha de inscrição encontram-se disponíveis no blogue da conferência.

[link] Conferência “O Lazer e o Turismo Ciclável em Portugal”
[link] Projecto Cicloria

A campanha ‘Lifecycle – Um curso com pedalada’, promovida pela Universidade de Aveiro e pela Câmara Municipal de Aveiro, e com o apoio da Associação Académica da UA e do Conselho Salgado, vai ter sua apresentação pública na Universidade de Aveiro no próximo dia 21 de Setembro (segunda) no dia de acolhimento aos novos alunos.

Esta campanha “Um curso com pedalada” insere-se no Projecto Europeu Lifecycle que visa estimular comportamentos de vida saudável, nomeadamente pela utilização da bicicleta. Com esta campanha pretende-se alertar os alunos para a importância da utilização da bicicleta, nomeadamente para efectuar pequenas distâncias e também como complemento a outros modos de transporte (em particular o comboio ou autocarro).

[link] Life Cycle

Dos 30 mil milhões de euros destinados à execução dos projectos previstos no Plano Estratégico de Transportes (PET), apenas 3,323 mil milhões (11 por cento) são dirigidos à mobilidade urbana, que engloba intervenções nas redes viárias dos principais centros urbanos, bem como na rede de transporte público urbano e suburbano. A maior fatia do orçamento global – equivalente a 15,5 mil milhões de euros – está reservada para cumprir o primeiro objectivo do plano, que passa por integrar Portugal nas cadeias europeias e mundiais de transportes, através do TGV e do novo aeroporto de Lisboa (NAL).

Fonte: Ambiente Online

A reunião numa plataforma logística de informação em tempo real sobre ambiente, telecomunicações, transportes e o modo como as pessoas circulam é o desafio de cientistas portugueses na procura do sistema de mobilidade urbano do futuro.

O «CityMotion» é um projecto que dentro de um ano pretende ter a funcionar protótipos reais nas cidades de Lisboa e Porto, coordenado pelo professor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) Carlos Lisboa Bento e integrado no Programa MIT – Portugal.

ler mais no site Ciência Hoje

Realiza-se na Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco, nos dias 23 e 24 de Abril o seminário Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais. A mobilidade constitui um importante factor de coesão e de integração sociais e de promoção da competitividade das cidades e das áreas rurais.

O desígnio de alterar os actuais padrões de mobilidade urbana, centrados no transporte individual motorizado, em favor dos modos suaves e do transporte colectivo coloca questões que se inserem na esfera do urbanismo, das políticas urbanas e sociais, do planeamento e ordenamento do território e dos transportes. A articulação e integração entre estes diversos conjuntos de políticas constitui um enorme desafio que se coloca aos modelos de governação da cidade.

Nas áreas rurais periféricas, os problemas do envelhecimento e do despovoamento humano, associados à reorganização dos equipamentos e serviços públicos e à redução da mobilidade, por via da contracção da oferta de transportes colectivos, geram situações de exclusão social a que urge dar respostas adequadas. A oferta de serviços de transporte alternativos e complementares aos transportes públicos convencionais pode constituir uma via para combater o isolamento das populações e promover uma maior inclusão social.

Associados a estas duas problemáticas territoriais surgem outros dois aspectos de particular importância no quadro da promoção de uma mobilidade eficiente com preocupações sociais, económicas e ambientais, a gestão da mobilidade e a contratualização e financiamento do sistema de transportes.

Este seminário tem por objectivo o aprofundamento do debate sobre estas problemáticas e ao mesmo tempo divulgar algumas experiências e boas práticas desenvolvidas em diversas regiões e cidades.

mais informações:
[link] site do seminário

DR n.º 25, I Série, de 5 de Fevereiro
Resolução da Assembleia da República n.º 3/2009

Assembleia da República
Plano nacional de promoção da bicicleta e outros modos de transporte suaves

Resolução da Assembleia da República n.º 4/2009
Assembleia da República
Recomenda ao Governo a promoção de redes de modos suaves a integrar nos planos de mobilidade urbana, no âmbito do Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, e da Lei de Bases do Sistema de Transportes Terrestres, aprovada pela Lei n.º 10/90, de 17 de Março

DR n.º 18, Série I, 27 de Janeiro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 9/2009
Presidência do Conselho de Ministros

Prorroga, por um ano, as medidas preventivas previstas no Decreto n.º 1/2007, de 25 de Janeiro, com o objectivo de viabilizar a terceira travessia do rio Tejo, no eixo Chelas-Barreiro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 10/2009
Presidência do Conselho de Ministros

Estabelece medidas preventivas com vista à salvaguarda da programação e implementação da ligação ferroviária de alta velocidade do eixo Porto-Vigo, aplicáveis ao troço Braga-Valença

Resolução do Conselho de Ministros n.º 11/2009
Presidência do Conselho de Ministro
s
Altera as áreas abrangidas pelas medidas preventivas estabelecidas com vista à salvaguarda da programação e implementação da ligação ferroviária de alta velocidade do eixo Lisboa-Madrid pelo Decreto n.º 25/2007, de 22 de Outubro, nos municípios de Moita, Palmela, Montijo, Vendas Novas, Montemor-o-Novo, Arraiolos, Évora, Redondo, Vila Viçosa, Alandroal e Elvas

Resolução do Conselho de Ministros n.º 12/2009
Presidência do Conselho de Ministro
s
Estabelece medidas preventivas com vista à salvaguarda da programação e implementação da ligação ferroviária de alta velocidade do eixo Lisboa-Porto, aplicáveis aos troços Vila Franca de Xira-Alenquer e Pombal-Oliveira do Bairro

DR n.º 18, Série II, 27 de Janeiro

Aviso n.º 2432/2009
Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte

Comissão de acompanhamento da revisão do Plano Director Municipal de Fafe

DR n.º 2, Série I, de 5 de Janeiro
Lei n.º 1/2009
Assembleia da República
Estabelece o regime jurídico das Autoridades Metropolitanas de Transportes de Lisboa e do Porto

A promoção de políticas de transporte com o objectivo de alterar o split modal a favor dos modos de transporte mais sustentáveis é hoje um desígnio à escala global.

Neste contexto, é indispensável aprofundar o debate sobre os modelos de desenvolvimento urbano e a sua interligação como o sector dos transportes, atendendo ao papel que este desempenha na promoção da coesão territorial e inclusão social. Em concreto, há que promover a necessária articulação das políticas de transporte com as políticas urbanas e sociais.

Por seu turno o mundo rural debate-se actualmente com o problema da redução dos níveis de mobilidade dos seus residentes, devido essencialmente à diminuição da oferta do transporte púbico. Este facto tem originado fenómenos de exclusão social, com especial incidência na população idosa e nos extractos mais carenciados da população.

Para contrariar esta tendência há que encontrar novas formas de oferta de transporte que permitam aos cidadãos residentes no meio rural poderem deslocar-se aos centros urbanos de modo a terem acesso a um conjunto de bens, serviços e actividades de carácter social e de lazer.

Este Seminário pretende ser não só um fórum de discussão destes temas nas suas várias vertentes mas também uma oportunidade para divulgar algumas experiências concretas e ensinamentos acumulados ao longo dos últimos anos.

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro vai organizar, nos próximos dias 30 e 31 de Outubro, um seminário subordinado ao tema “Mobilidade Sustentável e Transportes Públicos em Cidades Médias e Territórios de Baixa Densidade”.

Este Seminário contará com a participação de especialistas nacionais e estrangeiros no domínio da Mobilidade e Transportes, nomeadamente dirigentes da administração púbica central e regional, autarcas e técnicos municipais, professores e investigadores universitários e consultores privados.

Em debate estarão temas como os desafios da mobilidade sustentável, as políticas de promoção do transporte público em cidades médias ou ainda as problemáticas do transporte colectivo em áreas rurais e territórios de baixa densidade.

[site] Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

O congestionamento de trânsito automóvel em cidades, bairros e ruas é um factor importante quando se trata de avaliar a qualidade de vida dos lugares. Problemas associados à poluição, ao ruído são os mais comuns. O trânsito automóvel excessivo pode ser também sinónimo de um mau planeamento urbano.

Por exemplo, pode ser sintoma de que os serviços, o comércio, os equipamentos e as áreas habitacionais não estão próximas o suficiente para que os percursos possam ser feitos a pé. Esta forma de vida, dependente do automóvel, leva também a débeis relações sociais e de comunidade.

Isto pode ser dramático quando falamos de crianças que vivem em cidades. As relações estabelecidas pelas crianças em determinado momento, ajudam a moldar o seu carácter. Assim como as brincadeiras fora de casa ajudam a melhor descobrir e a compreender o mundo exterior.

Em Portugal, esta realidade é característica das nossas maiores cidades, que cresceram sem nenhum tipo de planeamento e que se estenderam para subúrbios habitacionais.

Mas grande parte do país está entregue a um cenário completamente oposto. Em muitos locais, crianças que não têm escolas nas suas aldeias nem, tão pouco nas cidades mais próximas, são obrigadas a levantarem-se cedo para apanhar o transporte escolar e regressando a casa tarde.

Planear e projectar cidades que promovam as deslocações a pé ou de bicicleta, serão também cidades que conferirão condições para uma melhor qualidade de vida urbana. Políticos e urbanistas deverão ter estas ideias como prioritárias.

O planeamento urbano, através do desenho que não assuma o automóvel como elemento central, deverá ser sustentado por verdadeiras políticas que conduzam à melhoria das vidas das populações.