Skip navigation

A demografia portuguesa entrou numa nova fase. Já se sabia das tendência do envelhecimento da população, justificado pelo número de nascimentos ser cada vez menor. Pela primeira vez desde que se conhecem registos, o saldo natural da população portuguesa é negativo – ou seja, houve mais registos de óbitos do que de nascimentos. Os dados foram publicados a semana passada pelo Instituto Nacional de Estatística.

A população total é apurada a partir de dois saldos: o saldo natural (bebés que nascem vivos menos as pessoas que morrem) e o saldo migratório (pessoas que imigram menos as pessoas que emigram). Ou seja, entramos numa era a que os demógrafos chamam de ciclo de crescimento natural negativo. Este resultado já se adivinhava já que as tendências mostravam que, ao longo dos últimos anos, aquela diferença era cada vez menor.

Estatisticamente sabe-se que para que haja renovação de gerações, cada mulher terá de ter 2,1 filhos. Em Portugal aquele índice situa-se nos 1,36 crianças por mulher. Esta situação, caracterizada por um esmagamento da população activa nos próximos trinta anos, obriga-nos a questionar a sustentabilidade de vários sistemas, desde logo o de segurança social.

[site] www.ine.pt

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: